Follow by Email

segunda-feira, 22 de outubro de 2012

Veterano Parte 2




O texto na carta de convocação era mais ou menos assim:

“Convocamos o Sr. Leonard Franklin Duckard Jr para se apresentar no próximo dia tal, em tal local, para etc e tal. “


A carta ainda tinha a delicadeza de me informar o que ocorreria se não comparecesse, mas peguei e rasguei o envelope com tanta alegria que nem mesmo li nada disso. Era óbvio que iria. E meu pai ia ver só se não seria um soldado melhor do que ele tinha sido.


Só falei sobre a carta no jantar. Minha mãe me olhava ansiosamente (ela havia visto a carta na caixa do correio) mas aguardava para ter certeza. E e meu pai parecia mais calmo do que jamais tinha sido. Não me olhou nos olhos nem uma única vez na janta.

Disse em tom solene “Fui Convocado”, e ele “Claro que foi”, com um orgulho de suas palavras que nunca tinha tido nem mesmo quando ia bem na escola ou em algum esporte.


Mamãe nunca disse o que pensou na hora, minha irmã achava que eu tinha ganho algum tipo de bolsa, e meu pai me fez o favor de gosto duvidoso de, nem então, me falar sobre  o que realmente me esperava.


Não falei  nada a Sandra. Só depois de ter passado no exame e saber  o dia de minha partida para treinamento. Ela chorou, me abraçou e me deu a maior ereção de minha vida. Não trocamos nossas virgindades (na verdade, ela não deu a sua para mim), mas fomos até mais longe do que jamais tínhamos ido.


E parti, com promessas decentes de espera, casamento e amor eterno. Com um pai me olhando como um ser-humano, finalmente, e amigos divididos entre pena e preocupação e profunda inveja e ansiedade sobre quando seria a vez deles.


O treinamento durou alguns meses. Aprendi a verdade sobre os japas. Que eram fracos de cabeça, que não tinham qualquer noção do perigo dos vermelhos, sobre como se eles caíssem nas mãos dos soviéticos e dos chinas, algum filho de uma puta poderia, um dia, violentar minha irmã, o discurso de sempre.


E mesmo sabendo que era um exagero, optamos por acreditar em cada palavra do Sargento.

Parti em um dia de chuva. Fiz alguns amigos, mas nenhum deles acabou servindo comigo, então eles que se fodam.


Sandra me escrevia 2 vezes por semana, e quando cheguei em um dia de chuva em Saigon, nunca imaginei que nos dias seguintes ainda estaria chovendo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário